RDO: Distribuição RPM do OpenStack

OpenStack é um projeto Open Source para construir e gerenciar nuvens públicas ou privadas no modelo conhecido como infrastructure-as-a-service (IaaS).

Tentando traduzir para quem não está acostumado com o vocabulário da computação em nuvem, pode-se dizer que o OpenStack fornece os componentes de software para disponibilizarmos serviços semelhantes aos principais serviços da Amazon AWS (EC2, S3, RDS, dentre outros), tanto para fornecê-los para terceiros (nuvem pública), como para uso interno (nuvem privada).

Por tratar-se de um projeto Open Source que conta com o apoio de diversas empresas, muitas delas oferecem seus próprios produtos baseados no OpenStack. Por exemplo:

  • HPE Helion OpenStack
  • Red Hat Enterprise Linux OpenStack Platform
  • IBM Cloud Manager with OpenStack
  • VMware Integrated OpenStack

Entretanto, apesar dos componentes Open Source, todas as principais distribuições do OpenStack são comerciais.

Implementar uma solução OpenStack utilizando apenas os componentes Open Source, ou seja, sem utilizar as distribuições comerciais e sem nenhuma ferramenta de apoio, pode ser considerado um desafio técnico complexo.

O projeto RDO (RPM Distribution of OpenStack) foi concebido para facilitar este procedimento. Primariamente ele fornece os pacotes do OpenStack pré-compilados para as distribuições Red Hat, Fedora, CentOS e derivados. Além disso, um conjunto de ferramentas auxilia de maneira eficiente o processo de instalação dos componentes.

Outro ponto que chama a atenção para o RDO é a sua comunidade de desenvolvimento bastante ativa, graças ao apoio da Red Hat. O RDO dá origem ao produto da própria Red Hat – o Red Hat Enterprise Linux Openstack Platform. Esta relação simbiótica entre comunidade e Red Hat acontece em todos os produtos da empresa e seus projetos comunitários equivalentes. Provavelmente, a mais conhecida destas relações é a do Fedora/Red Hat Enterprise Linux.

A documentação do projeto é bastante objetiva, voltada basicamente aos procedimentos de instalação e sem expor a complexidade dos componentes.

Para os interessados em ter um ambiente OpenStack para estudo e provas de conceito, ou para aqueles que querem um ambiente de produção utilizando a última versão disponível, o RDO é uma opção. Ressaltando, porém, que neste projeto não existe a preocupação de manter o suporte das versões anteriores. Também não há o mesmo rigor das distribuições comercias em relação à segurança e estabilidade dos componentes.

Apesar das ressalvas, o RDO pode ser considerado uma excelente porta de entrada para o mundo OpenStack.

Quer tentar? Comece por aqui: https://www.rdoproject.org/install/quickstart/

Referências

RDO Documentation. Acessado em 27-03-2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *